Alerta! Mensagem Falsa sobre Coronavírus no WhatsApp

Fatos desconhecidos.

Esta circulando em todo o mundo uma mensagem falsa sobre o coronavírus pelo WhatsApp , não caia nessa!.

Londres, Reino Unido - 31 de julho de 2018: Os botões do WhatsApp, Facebook, Twitter e outros aplicativos na tela de um iPhone.
(Getty Images)

Uma mensagem que afirma oferecer uma cura simples para o mortal coronavírus, começou a se espalhar no WhatsApp. O golpe promete uma cura para o coronavírus através de “uma tigela com água de alho recém-fervida”. Alega que um “velho médico chinês” prova que a cura funciona e continua explicando que a água do alho deve ser fervida e bebida durante a noite.

Resultado de imagem para coronavirus

Não está claro de onde a mensagem se originou, mas o alcance do WhatsApp já ultrapassou dois bilhões de usuários – significa que ela pode se espalhar rapidamente. ARTIGOS PRINCIPAIS 3/5 CONSULTE MAIS INFORMAÇÃO Mais de 1.500 pessoas morreram do vírus infeccioso nas últimas semanas e especialistas estão alertando as pessoas para evitar informações falsas potencialmente perigosas.

O NHS explicou: ‘Não existe tratamento específico para o coronavírus. O tratamento visa aliviar os sintomas enquanto o corpo luta contra a infecção. Nos Estados Unidos, o Centro de Ciência e Engenharia de Sistemas (CSSE) da Universidade Johns Hopkins desenvolveu um rastreador em tempo real para o vírus.

Um trabalhador médico em traje de proteção verifica os registros de um paciente no hospital Jinyintan em Wuhan, epicentro do novo surto de coronavírus, na província de Hubei, China, 13 de fevereiro de 2020. Foto tirada em 13 de fevereiro de 2020. China Daily via REUTERS ATTENTION EDITORS - ESTA IMAGEM FORNECIDO POR TERCEIROS.  CHINA OUT.

Médico em traje de proteção em Wuhan, epicentro do surto de coronavírus (Reuters) “Construímos esse painel porque achamos importante que o público entenda a situação do surto à medida que ela se desenrola com fontes de dados transparentes”, explicou Lauren Gardner, engenheira civil e co-diretora da CSSE, que liderou o desenvolvimento do ferramenta.

Fonte: metro.co.uk/